SOCIEDADE MUSICAL ESTRELA DOS ARTISTAS, PATRIMÔNIO CULTURAL DO POVO SERRANO

Muitos não sabem, mas o nome da quadragenária “Estrela dos Artistas” nasceu da junção dos nomes de duas extintas bandas: “Recreio dos Artistas” e “Lira Estrela do Norte”. Com esse nome, ela representa a continuidade de um trabalho fantástico iniciado lá em 1860 pelos saudosos maestros: Major Antonio Pinto Loureiro e Hilário Duarte.

Em 1967, Antísthenes Loureiro, reformado do Exército, foi convidado pelo então prefeito da Serra, Naly da Encarnação Miranda, para criar uma banda de música para o município. Naly da Encarnação Miranda sempre representou a Serra com muito dinamismo e criatividade e estava sempre disposto a colaborar para as melhorias do município, valorizava a música e reconhecia a importância da cultura para sociedade. Eles, junto com os alunos do Ginásio Serrano, fez ressurgir das cinzas a arte musical na cidade, restaurando essa cultura, já adormecida, com a formação da Sociedade Musical Estrela dos Artistas. Fruto de um trabalho feito com carinho e competência pelos seus maestros e que resiste até hoje, lançado no ar serrano com muita luz e amor.

A Sociedade Musical Estrela dos Artistas estreou tocando na “Cortada do Mastro” de São Benedito, em 15 de dezembro de 1968, com Valter Miranda e Galbo Benedicto Nascimento no trombone, Valdemir Sales Braga no barítono, Teodorico Boa Morte e Jaime Xavier Filho no clarinete, Sebastião Miranda, Edson Roberto dos Santos e Roberto Augusto no sax-horne, Odilomar Marques Nascimento e José Carlos Miranda no trompete, Luiz Carlos Miranda na Requinta, José da Silva Borges no tambor surdo, José Olímpio de Souza na tuba, que funcionava como um contrabaixo, José Azevedo Leandro no Tarol e Carlos Nodier Fraga de Miranda no saxofone. Havia ainda na formação músicos remanescentes da Estrela do Norte: Odilon Cypriano do Nascimento nos pratos, Marcos Francisco no clarinete, José Santos Pereira, conhecido como Sargento Barraca, no trombone e Claudionor Conceição no bombo. Os músicos Hermann Matos de Souza, formado na banda de Alfredo Chaves, tocava trombone e Enildo Benedito Miranda, do 38º Batalhão de Infantaria, trompete.

E foi assim que a Banda Estrela dos Artistas começou em 1968: com o grande maestro e artista Antísthenes Loureiro. A sua história permanecerá marcada entre nós, orquestrando lembranças dos momentos inesquecíveis que proporcionou a cada músico e também a toda sociedade Serrana.

Com carinho e competência, os maestros e músicos da nova geração vêm se dedicando incansavelmente para perpetuar o trabalho iniciado pelos fundadores. Os líderes mudaram, mas a visão é a mesma: que a Serra tenha uma banda de música que dê muitas alegrias e orgulho ao seu povo e, principalmente, continue exercendo esse exemplo de cidadania, ministrando aulas de música gratuitamente para toda população.

Não é à toa que a Banda Estrela dos Artistas se tornou referência em todo o Estado, principalmente para os jovens artistas aspirantes à arte musical. Um dos exemplos é o incentivo à pratica e ao preparo dos músicos para o exercício continuo de sua atividade. Em sua sede, desde sua fundação vem oferecendo aos componentes e à comunidade a formação necessária para o desenvolvimento de seu talento.